Réseau Syndical International de Solidarité et de Luttes


mardi, 24 novembre 2020

 
 

 

32 Estados co-assinam uma declaração contra o direito ao aborto

Accueil > Reflexões e debates > Mulheres, direitos da mulher > 32 Estados co-assinam uma declaração contra o (...)

A "Declaração Conjunta sobre Saúde da Mulher e Reforço da Família", que será apresentada à Assembleia Mundial da Saúde, é uma verdadeira declaração de guerra contra as mulheres, contra os seus direitos, contra o direito ao aborto. Enquanto o texto fala, por exemplo, de "igualdade de oportunidades de acesso ao emprego como homens", mostra muito claramente o desejo de restringir o direito ao aborto, sob o pretexto de "bem-estar das mulheres" e "preservação da vida humana" ; o grupo elogia "famílias tradicionais", isto é, casais heterossexuais, e afirma "proteger vidas inocentes".

Esta afirmação simbólica mostra a ofensiva reaccionária, antifeminista, patriarcal e coordenada internacionalmente. Chega numa altura em que o direito ao aborto está a ser combatido por vários governos que apoiam as forças mais retrógradas. Os círculos religiosos de vários lados desempenham um papel significativo.

As organizações membros da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e de Lutas denunciam esta declaração reaccionária, mas também os obstáculos ao direito de cada mulher de dispor livremente do seu corpo, que existem muito para além destes 32 países. O direito das mulheres a controlar os seus corpos é um direito fundamental. É um elemento estruturante na construção da igualdade entre mulheres e homens. O aborto é um problema de saúde pública ; é-o ainda mais nos países pobres.

As organizações membros da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e de Lutas exigem o direito a um aborto livre, seguro, público e gratuito para todas as mulheres, incluindo menores. Em todo o mundo, apoiamos as lutas feministas.