Réseau Syndical International de Solidarité et de Luttes


vendredi, 30 octobre 2020

 
 

 

Após 26 anos de ditadura, apoie o povo de Belarus !

Accueil > Internacional (Port) > Europa > Após 26 anos de ditadura, apoie o povo de (...)

Após 26 anos de ditadura e uma enésima mascarada eleitoral no domingo 9 de agosto de 2020, o povo bielorrusso saiu às ruas na noite dos resultados anunciando a "reeleição" do ditador Alexander Lukashenko com 80% dos votos contra 10% de seu principal oponente.

Neste país de quase 10 milhões de habitantes a oposição sempre foi sistematicamente reprimida com violência. Os abusos aos direitos humanos são regularmente denunciados pela Anistia Internacional : jornalistas e opositores presos, pena de morte ainda em vigor, corrupção e favores do clã ditador. Ao mesmo tempo, os direitos trabalhistas da classe trabalhadora são continuamente violados, assim como a violência silenciada e encoberta contra as mulheres. Diante da tentativa de normalizar e continuar toda esta violência contra a população, o povo da Bielorrússia se levantou com determinação para fazer valer os seus direitos mais básicos.

No dia das eleições, inúmeras falsificações e irregularidades foram observadas em todo o país. Na noite dos resultados, o povo bielorrusso não aceitou ser desprezado novamente. Dezenas de milhares deles foram para as ruas, desafiando a OMON e as autoridades em todo o país. Demonstrações de uma escala sem precedentes, desestabilizando ainda mais a veracidade da versão oficial. Desde domingo 9 de agosto, as manifestações têm sido diárias e maciças, a repressão tem sido muito forte : pelo menos dois manifestantes foram mortos, mais de 7000 detenções arbitrárias foram contadas, testemunhos relatando estupro, espancamentos e humilhação pelas forças de segurança se multiplicaram e a polícia justificou o uso de armas de fogo sobre a multidão.

Foram feitos apelos para uma greve geral, muitas fábricas estão agora em greve e o movimento parece estar se espalhando por todo o país. Milhares de trabalhadores das principais fábricas bielorrussas votaram para entrar em greve, como na fábrica de máquinas industriais e de mineração BELAZ, o carro-chefe da economia do país. Trabalhadores ferroviários, pessoal hospitalar, TI e trabalhadores químicos deixaram de trabalhar. Ultimatos em muitos setores de atividade foram emitidos por funcionários exigindo a demissão do ditador e a libertação dos presos políticos. Os funcionários públicos se demitiram.

Mais do que nunca, devemos nos solidarizar com os manifestantes em Belarus : Além da apreensão de todos os recursos do país pelo ditador Lukashenko e seu clã, Belarus vem passando por uma grave crise econômica há vários meses. Além de negar a realidade do progresso da epidemia no país, o ditador Lukashenko aconselhou seu povo a beber vodca para se proteger do vírus, inflando ainda mais a desconfiança dos bielorrussos em relação ao poder vigente.

As organizações membros da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e de Lutas apoiam a greve geral em andamento e as manifestações populares que exigem a saída de Alexander Lukashenko e respeito pelos direitos humanos na Bielorússia. Condenamos veementemente a repressão brutal de um regime que só tem este argumento para se manter no poder e exigir a libertação de todos os presos políticos na prisão.