Réseau Syndical International de Solidarité et de Luttes


dimanche, 29 mars 2020

 
 

 

Após dois anos de luta, La Jornada, periódico do México, reintegra trabalhadores

Accueil > International (Fr) > Amériques > Após dois anos de luta, La Jornada, periódico (...)

Após dois anos de luta, nove trabalhadores do jornal La Jornada serão reintegrados em seus empregos.

A decisão saiu na última terça-feira (21), e dentre os readmitidos estão as figuras conhecidas durante a forte campanha de denúncia e de mobilização sindical, os ex-secretários gerais dos trabalhadores do Sintrajor (Sindicato Independente dos Trabalhadores de La Jornada), Judith Calderón e Elizabeth Velasco.

Em outubro de 2017, logo após a demissão dos camaradas, recebemos no Brasil, durante o Encontro das Américas, a então presidente do sindicato independente dos trabalhadores do jornal La Jornada, Judith Calderon. A jornalista fora demitida em uma greve realizada em julho daquele ano.

À época, Judith recebeu apoio das delegações e da CSP-Conlutas. Herbert Claros, do Setorial Internacional da Central, afirmou que “luta como as pela readmissão dos jornalistas do La Jornada no México e pela reaparição de Santiago Maldonado na Argentina, cada uma dessas mobilizações nacionais estão a serviço de uma luta maior. E temos como tarefa reproduzir estas ações de campanha em nossos países”, apontou.

Apesar de ser uma importante vitória, este ainda é o início de um processo longo com ainda cerca de 20 ações judiciais pendentes, em exigência ao CCT que lhes foram retirados, antes da greve de 2017, “sob o pretexto de que não havia condições adequadas para a empresa pagar o contrato e depois de acusar os trabalhadores de serem responsáveis ​​por uma situação de suposta crise da empresa".

Judith defendeu a mobilização tratando de resgatar que os trabalhadores "têm uma história sindical de 30 anos de conquistas e que isso não tem preço nem se compra". Ela informou ainda que três dos readmitidos seguirão com queixa criminal contra o periódico, e que este "foi um julgamento vergonhoso de mais de dois anos em que muitos de nós lutamos”.