Réseau Syndical International de Solidarité et de Luttes


mardi, 24 novembre 2020

 
 

 

Greves na Amazon

Accueil > Sectores (Port) > Lojas e serviços > Greves na Amazon

As organizações membros da Rede Sindical Internacional Solidariedade e Luta congratulam-se com a acção dos trabalhadores da Amazon ; várias acções em diferentes países mostram a resistência contra estes chefes de choque. Em condições difíceis, os trabalhadores amazónicos de todo o mundo lutam colectivamente pelas suas condições de trabalho, pelos seus salários, pelos seus direitos colectivos... Estão a organizar-se para serem mais eficazes. O nosso papel é dar a conhecer as suas lutas, apoiá-los, ajudá-los a construir uma coordenação internacional dos trabalhadores amazónicos onde decidam sobre as suas acções.

Na Alemanha, 1500 grevistas actuaram em conjunto a 13 e 14 de Outubro em armazéns em Bad Hersfeld, Werne, Koblenz, Leipzig e Rheinberg. As exigências diziam respeito aos salários e à convenção colectiva.

Em Itália, nas instalações da Amazon em Brandizzo (perto de Turim), trabalhadores da empresa subcontratada ICTS (segurança e controlo de acesso) pararam de trabalhar durante 24 horas, com piquetes e distribuição de folhetos. Foram feitas exigências em matéria de salários, com a taxa horária congelada em cerca de 6-7 euros brutos por hora, com as negociações salariais num impasse, uma vez que o acordo colectivo expirou em 2013.

Nos Estados Unidos, a direcção da Amazon está a preparar o encerramento permanente do armazém DCH1 em Chicago. A 30 de Setembro, empregados precários foram chantageados : para serem transferidos para um emprego com horário das 1:20 às 11:50, ou para serem despedidos a 6 de Dezembro. O colectivo Amazonians United apela à total transparência relativamente aos empregos disponíveis nos outros locais, ao direito de todos manterem as mesmas horas de trabalho que anteriormente, e a várias outras disposições em matéria de tempo de trabalho. Durante a noite de 1-2 de Outubro, dezenas de empregados no armazém de Shakopee, Minneesota, deixaram o trabalho e reuniram-se para protestar contra o despedimento de um colega acusado de não cumprir o seu objectivo de produtividade e tempo de pausa.