Red Internacional de Solidariedad y de Luchas


Lunes, 20 de noviembre de 2017

 
 

 

Mociones aprobadas en el 1º Encuentro de las Américas de la Red Sindical Internacional de Solidaridad y Lucha

Portada del sitio > Mociones > Mociones aprobadas en el 1º Encuentro de las (...)

REINTEGRAÇÃO DOS DEMITIDOS DO JORNAL “LA JORNADA” NO MEXICO

O primeiro Encontro das Americas da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Luta se solidariza com a luta do sindicato de trabalhadores do jornal La Jornada – SITRAJOR e repudiamos os ataques da empresa “DEMOS S.A. C.V.” aos diretos dos trabalhadores e a seus dirigentes sindicais.

Exigimos:

- Que as autoridades do poder judicial e legislativo cessem as perseguições penais e trabalhistas e;
- a imediata reintegração de todos e todas trabalhadores demitidos


APPELLO INTERNAZIONALE DI SOSTEGNO ALLA LOTTA DEI LAVORATORI ALITALIA

Nel trasporto aereo in Europa e´ in atto un attacco generale contro i lavoratori, cé´un progetto in corso che parte da lontano, nel 2000 il ministro dei trasporti europeo , De Palcio, dichiaro´che in Europa dovevano rimanere solo 3 compagnie aeree di riferimento dei 3 stati piu´industrilizzati di Europa : Francia (AirFrance) Germania (Lufthansa) Gran Bretagna (British airways) e tutte le altre compagnie dovevano svolgere solamente attivita´ancillare.

Da anni e´in corso un´aggressiva liberalizzazione del mercato del trasporto aéreo con la privatizzazioni delle compagnie aeree e delle societa´ aeroportuali per i servizi a terra e com la crescita dele compagnie Low Cost, sono molte le terziarizzazioni delle attivita´ fino all´utilizzo delle cooperative.

I lavoratori stanno pagando un prezzo molto alto anche se il settore e´in continua crescita di passeggeri e ricavi per i padroni, sono molti i licenziamenti, la precarita´del lavoro e l´abbassamento del salario.

Un esempio e´la storia della compagnia Alitalia (Italia) dove la privatizzazione ha prodotto 10mila licenziamenti nel 2009 molte attivita´ terziarizzate e un abbasamento médio del salario del 14%. Questa privatizzazione e´risultata un fallimento e dopo aver venduto il 49% delle azioni ad un compagnoia araba (Etihad) nel 2014 con altri 2mila licenziamenti, oggi vengono richiesti altri sacrifici ai lavoratori Alitalia. Da gennaio 2017 e´in corso una dura lotta dei lavoratori Alitalia attraverso scioperi con alte adesioni con centinaia di voli cancellati richiedendo la NAZIONALIZZAZIONE DI ALITALIA. In aprile c´e´ stato un referéndum dove il 67% dei lavoratori Alitalia hanno detto NO ad un piano di ridimensionamento e licenziamenti. Il governo ora non sta rispettando il volere dei lavoratori e sta utilizando denaro pubblico per favorire una http://laboursolidarity.org/ecrire/?exec=article_edit&new=oui#previsuEditernuova privatizzazione con ulteriori licenziamenti.

La lotta dei lavoratori Cub Trasporti Alitalia deve essere presa da esempio per la solidarieta´e il sostegno internazionale, grazie alla rete sindacale internazionale di solidarieta´e lotta sono stati molti i contatti tra i lavoratori di Alitalia con Lavoratori di altre compagnie aeree (Avianca, Aerolinas Argentina) con scambi di video e comunucati di sostegno e solidarieta´, il 31 di luglio c´e´ stato un incontro a Roma tra la Cub Trasporti Alitalia e Sud Aerien di AirFrance dove e´si e´ preso l´impegno per future lotte unitarie, infine grazie ai Co.Bas dello stato di Spagna i Lavoratori Alitalia hanno inviato una lettera aperta ai lavoratori di Iberia per tentare di allargare i contatti internazionali.

La lotta dei lavoratori Alitalia e´molto importante e deve essere sostenuta perche´sta mettendo in crisi le burocrazie sindacali e politiche e sta mettendo in evidenza la crisi del capitalismo e delle privatizzazioni, chiunque lo crede necessario puo´ inviare una mail di sostegno (appello internazionale di sostegno alla lotta dei lavoratori Alitalia No Austery Italia) all´indirizzo solidarity.alitalia@libero.it


TODO APOIO AO POVO SOMALI

Mais de 300 pessoas morreram após a explosão de dois caminhões-bomba, no sábado (14), em uma área movimentada de Mogadício, capital da Somália.

Os ataques, separados por um intervalo de algumas horas, deixaram também ao menos 300 feridos e destruíram dezenas de prédios e veículos.

O primeiro, mais mortífero, aconteceu nos arredores de um conhecido hotel da cidade, em um perímetro com vários ministérios e embaixadas. O prédio da representação diplomática do Qatar foi severamente atingido.

A Somália é um dos países mais miseráveis da África. Cenas como as de crianças esquálidas morrendo de fome tornaram o país tristemente famoso. No entanto, a responsabilidade dessa situação recai sobre as principais potências imperialistas que têm um vasto histórico de ingerência sobre a região. No século XIX, o território somali foi dividido por França, Grã-Bretanha e Itália. Embora tenha conquistado uma pseudo independência nos anos 1960, o país sempre foi usado como um joguete dos interesses do imperialismo e da burocracia soviética ao longo do século XX.

As explosões ocorreram dois dias depois de o chefe do comando militar estadunidense para a África se reunir com o presidente do país, Mohamed Abdullahi Farmaajo, e após os nebulosos pedidos de demissão do ministro da Defesa e do comandante do Exército somalis.

Ainda no início deste ano o governo de Donald Trump e Farmaajo anunciaram novas ofensivas militares contra o povo. Estes ataques são uma resposta a essa nova ofensiva. Este episódio mostra que mais uma vez o país sempre é usado para atender interesses dos imperialismos que incentivam e financiam a existência de bandos clânicos.

Nós, participantes do 1º Encuentro de la Clase Trabajadora de las Americas, nos solidarizamos com o povo somali e repudiamos os ataques que ocorrem contra a população. Nem os ataques imperialistas ou dos clãs resolverão os problemas dos trabalhadores daquele país.

É necessário que os operários, os camponeses e o povo se organizem e tomem em suas mãos o seu destino. É necessário enfrentar e colocar para fora da Somália as tropas estrangeiras do Estados Unidos, do Quênia e da União Africana.

A luta e a mobilização podem construir um governo que faça uma reforma agrária para que se plante alimentos. Podem estatizar e tornar coletiva a propriedade das empresas estrangeiras de telecomunicações. Podem desapropriar e planificar a economia impondo também um controle sobre o comércio exterior.

Pois só uma sociedade socialista colocará um fim as centenas de mortes e garantirá um futuro para os trabalhadores e o povo somali.


DECLARACIÓN DE APOYO A LA LUCHA DE LA CLASE TRABAJADORA SALVADOREÑA DEL PRIMER ENCUENTRO DE LA CLASE TRABAJADORA DE LAS AMÉRICAS.

En la ciudad de Sao Paolo, los días 16 y 17 de Octubre, dirigentes sindicales de 23 países, principalmente de las Américas, además de Africa y Europa, nos hemos reunido para analizar la situación de los ataques a las principales conquistas de la Clase Trabajadora en el mundo y para preparar una respuesta unificada ante los gobiernos, los patronos y las direcciones traidores del movimiento sindical y popular de nuestros países.

Es en ese sentido que a solicitud de la delegación de los Compañeros de El Salvador, aglutinados en la Unión Nacional para Defensa de la Clase Trabajadora-UNT, integrante de la Coordinadora Sindical Salvadoreña, y organización que hace parte de la Red Sindical Internacional de Solidaridad y Luchas, Manifestamos lo siguiente:

Nos pronunciamos rotundamente en Contra del Plan de Ajuste impulsado por el Fondo Monetario Internacional, en complicidad con el gobierno de El Salvador y todos los partidos políticos, que se continúa imponiendo sobre las espaldas de la clase trabajadora salvadoreña en general, ante la indiferencia de las burocracias sindicales tradicionales.

Alertamos a toda la Clase Trabajadora organizada y no organizada, del sector público, privado o por cuenta propia, a los campesinos, sectores populares y organizaciones estudiantiles a prepararse con unidad, organización y movilización, y a preparar un Plan de Lucha Unitaria, a nivel nacional, que podamos compartir a nivel internacional, ya que es la misma receta la que está aplicando a nivel mundial el imperialismo, para descargar la crisis sobre nuestros hombros.

En ese sentido saludamos la realización de la Asamblea Nacional de la Clase Trabajadora, convocada por la Coordinadora Sindical Salvadoreña-CSS, a realizarse el día 28 de Octubre, y les alentamos a fortalecer la unidad sindical y popular: Clasista, Independiente, Democrática y Combativa en El Salvador, y ofrecerles siempre que lo necesiten nuestra solidaridad internacional.

Condenamos la actitud del gobierno y las patronales, que se ensañan con las y los luchadores y niegan la Libertad Sindical, especial mención merecen: las compañeras de la Unión Sindical de Trabajadoras y Trabajadores del Instituto Salvadoreño para el Desarrollo de la Mujer-USTTISDEMU que se enfrentan a la limitación a su accionar sindical y reducción de sus salarios, por la implementación de un instructivo totalmente represivo, al igual que la Junta Directiva del Sindicato de Empleadas y Empleados de la Procuraduría para la Defensa de los Derechos Humanos de El Salvador-SEPRODEHES quienes luchan contra una Procuradora abiertamente antisindical y los compañeros del Sindicato de Trabajadores de CONAMYPE que no han cesado por dos años ante la flexibilización de sus condiciones de trabajo y su estabilidad laboral, por lo que les alentamos a seguir adelante en su lucha.

Repudiamos el despliegue de tanquetas, carros blindados, militares con armas de guerra, que solo refleja el grave retroceso en materia de derechos humanos y democráticos que enfrenta su país, y lo más grave es que estas medidas son implementadas por un gobierno auto proclamado de “izquierda”.

Por último, exhortamos a toda la Clase Trabajadora Salvadoreña a no poner sus esperanzas en nada ni en nadie afuera de la misma clase, pues esta abundantemente comprobado que solo la lucha unitaria de los trabajadores organizados consigue los objetivos que esta anhela.


Moção de Repúdio ao Ministério Público Federal e Procurador André Bertuol

As entidades, movimentos e organizações abaixo manifestam seu veemente repúdio à ação do Ministério Público Federal (MPF) que criminaliza quatro professores e um técnico administrativo da Universidade Federal de Santa Catarina, os quais se apresentaram como mediadores e defensores do espaço público da Universidade e dos seus estudantes, quando da operação policial no campus da UFSC em 24 de março de 2014.

A operação foi comandada pela Política Federal com auxílio da Polícia Militar do estado de Santa Catarina com a alegação de combate ao tráfico de drogas. O resultado da operação foi uma violenta repressão com a entrada da tropa de choque da Polícia Militar no campus usando bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, ferindo diversos estudantes, técnicos administrativos em educação e professores. Os cinco servidores estão sendo ameaçados judicialmente de perderem a função pública e de receberem benefícios do Estado por cinco anos, de pagarem uma multa civil no valor de 10 vezes a remuneração de cada um, do pagamento de R$ 45.380,11 reais de danos patrimoniais, além da perda dos direitos políticos por oito anos.

Trata-se claramente de um ato político de punição aos servidores que defendem o caráter público e a autonomia da Universidade e que agem em consonância com sua função pública. Esses servidores não cometeram nenhum ato de improbidade administrativa, conforme resultado de sindicância interna da UFSC e foram inocentados em ação criminal. Diante desse fato, repudiamos a iniciativa do MPF, exigimos o arquivamento do processo e nos solidarizamos com os servidores vítimas desta ação.


LIBERDADE E DIREITO DE PERMANÊNCIA NO BRASIL PARA CESARE BASTISTTI

O governo brasileiro anunciou sua intenção de cancelar o status de residente permanente de Cesare Batistti, ativista e escritor italiano condenado pelo judiciário italiano sem direito de defesa por ações ocorridas anos 70.

Esta medida abre o caminho para sua deportação/expulsão do Brasil, onde vive há mais de dez anos em paz com sua esposa e filho de 4 anos que são brasileiros.

Reivindicamos que as autoridades brasileiras, em particular o Supremo Tribunal Federal e o poder executivo, garantam seu direito de permanecer no Brasil em paz e em liberdade.


NO AL IIRSA

Superando las estructuras nacionales y las soberanias de los pueblos, hoy se alza sobre América la amenaza de la implementación de una Integración de la Infraestructura con el único objetivo de eliminar las barreras y las limitaciones que ofrecen el orden territorial de los países americanos para facilitar el saqueo y el robo de las matérias primas de nuestro continente.

Corredores bioceánicos, ejecución de túneles, carreteras, aeropuertos, puertos y toda una red de infraestructura que solo significará el endeudamiento de nuestros pueblos una vez más para el beneficio de trasnacionales que requieren la optimización de esta infraestructura para facilitar la extracción y abaratar los costos del traslado de ellas.

Los gobiernos burgueses son cómplices obsecuentes y entreguistas, implementando la infraestructura con fondos públicos provenientes de Bancos mundiales, aprobando leyes y firmando acuerdos internacionales dejando en el aire un fuerte hedor a corrupción.

Oculto a los ojos de nuestros pueblos, como un monstruo de mil cabezas sólo se perciben sus proyectos específicos, sus parcialidades. Mientras su implementación significa muchas veces la destrucción del medio ambiente, la destrucción de fuentes de trabajo tradicionales, de nuestro patrimônio cultural e incluso de nuestra salud. A cambio se engana a los trabajadores ofreciendo minúsculos empleos, como siempre sometidos a las nuevas condiciones laborales de explotación, precários y tercerizados. Tal como si fueran las nuevas cuentas de vidrio por las que entregaremos nuestro continente a estos conquistadores trasnacionales.

Es necesario superar el silencio y el engano em que se mantiene a nuestra classe trabajadora respecto a esta Iniciativa. Es necesario ante la Integración de la infraestructura para el saqueo, la superación de nuestras barreras nacionales impuestas por la burguesia para integrar la consciência y la acción de nuestro Pueblo trabajador.

El primer Encuentro de la Classe Trabajadora de las Américas denuncia la Iniciativa para la Integración de la Infraestructura Regional Sudamericana y cualquier tratado internacional firmado por las burguesias nacionales que entregue nuestra soberania a este nuevo colonialismo de las trasnacionales y llama a la clase trabajadora a no dejarse enganar con ofertas de migajas y a luchar unidos por el control obrero de los médios de producción.


MOCIÓN DE REPUDIO A LA PERSECUCIÓN DE GENERAL MOTORS CONTRA ACTIVISTAS SINDICALES

En un claro ataque a la organización de los trabajadores, General Motors Brasil despidió a un dirigente del Sindicato de Trabajadores Metalúrgicos de São José dos Campos y Región, afiliado al CSP-Conlutas, y un miembro del Comité de Seguridad de la Fábrica, activista en lo mismo Sindicato.

Los despidos del sindicalista Célio Dias da Silva, más conocido como Celião, y del miembro del Comité de Seguridad Serginho, asi como la suspensión del dirigente sindical Alex da Silva Gomes por 15 días, tuvo lugar en medio de la negociación contractual del sector metalúrgico, convirtiéndose en un caso evidente de persecución política.

Los despidos del dirigente sindical y del miembro del Comité de Seguridad, asi como la suspensión del dirigente sindical, en nombre de la dirección de General Motors, en São José dos Campos, merecen todo el repudio por su arbitrariedad.

La actitud es un grave ataque a toda la categoría metalúrgica y al conjunto del movimiento sindical brasileño e internacional, en el momento en que se intenta fragilizar a los sindicatos en Brasil y precarizar las condiciones de trabajo.

Estas actitudes son un grave atentado a la libertad sindical y deben ser rechazadas a nivel nacional e internacional. Es en defensa del derecho a la libertad de organización sindical que exigimos la inmediata reintegración de los compañeros Celião, Serginho y Alex.


Solidariedade em defesa de Jouseth Chaves e Francisco Cruz do SITRASEP – Costa Rica

Na Costa Rica os companheiros tem se dedicado a organizar a luta dos trabalhadores e camponeses, principalmente nas grandes empresas agroexportadoras produtoras de abacaxi e laranjas. Realizaram dezenas de denúncias ambientais e trabalhistas, o que lhes gerou um prestígio importante entre os trabalhadores, mas também o ódio determinado de vários empresários da região.

Os trabalhadores e ex-trabalhadores do projeto de produção de abacaxi em Santa Fe de Los Chiles vêm lutando pelo respeito aos seus direitos.

Ao calor das greves e da organização, foi fundado o Sindicato dos Trabalhadores do Setor Privado (SITRASEP) em um ato público multitudinário em 1º de maio de 2016. De março de 2016 até agora, foram realizadas seis greves na fazenda, a maioria delas de vários dias.

Essas greves enfrentaram uma forte repressão da patronal e do governo da Costa Rica, em vários casos os trabalhadores receberam tiros dos seguranças da empresa, e foram cercados por centenas de forças antimotins prontas para reprimir. Não conseguiram reprimir a luta porque os trabalhadores se prepararam para enfrentar a polícia e a luta esteve repleta de solidariedade de dezenas de organizações sociais na Costa Rica.

Graças a essas greves, foi conquistado o respeito aos direitos básicos que estavam sendo violados há mais de sete anos, entre eles: o 13º salário, as férias, as horas-extras, o salário mínimo, o direito ao pagamento da rescisão quando um trabalhador é despedido, equipamentos de proteção e uniformes, entre outras coisas.

A empresa de produção de abacaxi enfrentou o desenvolvimento do sindicato de muitas maneiras: despediu trabalhadores que eram dirigentes, usou suas influências para que a força pública reprimisse as greves, inclusive na última greve tentou fazer com que um grupo de ex-trabalhadores se organizasse para furar a greve à força, mandou a segurança privada disparar armas de fogo contra os grevistas, e mantém uma política de listas negras na região contra o sindicato, para pressionar os trabalhadores a não lutar pelos seus direitos.


Dirigentes do SITRASEP recebem ameaças de morte

A partir de uma reunião no sábado dia 3 de junho de 2017 entre Rodrigo García Brenes, dono da empresa, seus assessores e os ex-dirigentes sindicais José Ángel Picado e Henrry Rosales, iniciaram uma campanha pública contra o SITRASEP e um processo de amedrontamento e ameaças contra os organizadores do sindicato.

A partir daquela reunião, começaram a ocorrer uma série de fatos que atentam claramente contra a integridade física dos principais dirigentes sindicais nessa região: Jouseth Chaves e Francisco Cruz.

É responsabilidade de todo o movimento social evitar que esta luta pelos direitos dos trabalhadores termine em uma tragédia. Por isso, nos somamos ao chamado a todas as organizações sindicais, estudantis e sociais a se solidarizarem com esta causa e a exigirem que estas ameaças sejam investigadas.

Exigimos do governo de Luis Guillermo Solís que garanta a liberdade sindical na fazenda de produção de abacaxi de Santa Fe e o responsabilizamos por qualquer atentado contra os companheiros dirigentes sindicais na região.


Moção de apoio à Campanha por Outra Lei da Nacionalidade em Portugal

Em Portugal quem nasce em território nacional, filho(a) de progenitores estrangeiros, não tem direito à Nacionalidade Portuguesa.

A Lei da Nacionalidade de 1981 (37/81) retirou o princípio de jus soli da jurisdição, prior a 1981 todos aqueles que nasciam no território português tinham direito à nacionalidade portuguesa, bem como aqueles que são descendentes de portugueses (principío jus sanguinis).

Mas hoje não é assim, com esta alteração, milhares de pessoas vêem o acesso a comunidade portuguesa, às filhas e filhos de imigrantes resta o inferno burocrático, que passa por 200 euros para a obtenção da nacionalidade, à prova de linguística, até à obtenção dos registos criminais do país de origem dos seus pais.

Isto concretiza-se e/ou adiciona-se na falta de acesso aos serviços de assistência básica do Estado, como é a crescente dificuldade no acesso ao serviço de saúde, bem como entraves burocráticos na progressão no sistema educacional (ou não fossem as alunas de origem afrodescendente aquelas que são mais escoadas para o ensino profissionalizante), essa progressão acaba por ter respaldo na presença da comunidade imigrante no mercado de trabalho, se tivermos em conta apenas a população de nacionalidade africana, podemos concluir que esta se encontra sobre representada nas profissões ditas de base.
O Estado Português fecha as portas aos filhos dos imigrantes tornando-os imigrantes no seu próprio país. Como irão estes “voltar para a sua terra” se essa é Portugal?

De forma a reparar as injustiças e a combater o Racismo Institucional que esta situação perpetua vário sectores da sociedade civil portuguesa lançaram esta Campanha.

Exigimos ao Congresso português Nacionalidade para todos aqueles que nascem em Portugal, independentemente da origem ou situação dos seus pais, exigimos também mecanismos mais justos no acesso à Nacionalidade no caso daqueles que, embora não tenham nascido em Portugal, constroem a sociedade portuguesa.

Assim sendo conformamos ao plenário do Encontro Internacional das Américas da Rede, que se solidarizem com esta Luta. Estaremos a finalizar uma fase mais dinâmica da Campanha este dia 19 com uma manifestação de entrega de assinaturas frente ao Congresso.

Quem Nasce em Portugal deve ser português e ponto final!
Nacionalidade já!


MOÇÃO EM SOLIDARIEDADE AOS TRABALHADORES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Delegações de mais de 15 países reunidas no I Encontro da Classe Trabalhadora das Américas manifestam sua solidariedade aos Servidores, pensionistas e aposentados discriminados pelo (des) governo Pezão

O governador Luiz Fernando Pezão, junto com seus secretários, escolheram contar ao povo que não há como quitar os salários. Escolheu mentir à população! E mais do que isto: ao invés de procurar por saídas, escolheu pagar alguns… dividiu uma luta que é de toda sociedade, escolheu deixar Universidades como a UERJ, a UENF, a UEZO, agonizando! Agonizando segue a saúde, sucateada com equipamentos sem manutenção e hospitais fechando ou reduzindo o número de leitos!

O Estado escolheu deixar hospitais como o Pedro Ernesto morrerem aos poucos… Mas o governador, não vai fazer seu tratamento em hospitais públicos, ele vai para um Spa em Penedo, que também é um “centro de saúde”, que custa a bagatela de 11 mil reais por semana. Também é escolha deste Executivo, deixar sem as condições de funcionamento CECIERJ, FAETEC e matar também a CULTURA, não investindo em Ciência e Tecnologia.

Por último, nos causa revolta ver que este governo escolhe deixar milhares de SERVIDORES sem ter como arcar com suas despesas depois de terem honrado cada dia de suas vidas como funcionários públicos. OS SERVIDORES ESTÃO COM SALÁRIOS ATRASADOS E SEM DÉCIMO TERCEIRO DE 2016!

ATIVOS, APOSENTADOS E PENSIONISTAS ESTÃO À MINGUA, LUTANDO POR DIGNIDADE!

Junte-se a nós e escolha lutar por um funcionalismo forte, que tenha dignidade para viver, trabalhar e atender a população com o respeito que ela merece! Diga não à privatização da Saúde e da Educação Pública!!!


São Paulo, 17 de octubre de 2017