Réseau Syndical International de Solidarité et de Luttes


samedi, 19 septembre 2020

 
 

 

No Brasil, Bolsonaro assume posição criminosa frente à pandemia do Coronavírus

Accueil > Internacional > Américas > No Brasil, Bolsonaro assume posição criminosa (...)

É preciso, e possível, defender vidas, empregos e direitos !

Em 25 de fevereiro, o Brasil registrou o primeiro caso de infectado pelo novo Coronavírus.

Desde então, temos sofrido com um crescente número de novos infectados e mortes.

E o pior, o governo Bolsonaro tem adotado péssimas medidas, que vão na contramão das recomendações dadas pela Organização Mundial da Saúde, e beneficiado os patrões e empresários.

Bolsonaro defendeu, em pronunciamento pela rede aberta de rádio e televisão, o fim das principais medidas de prevenção à Covid-19.

O presidente de ultradireita defendeu a suspensão da quarentena decretada em escolas, comércios e as restrições às aglomeração de pessoas e confinamento social.

A posição de Bolsonaro não tem qualquer embasamento científico ou técnico. Com o falso argumento de que é preciso conter o “pânico e a histeria”, na prática, orientou em rede nacional que a população deixe de tomar os cuidados para impedir a proliferação do coronavírus, que já matou cerca de 25 mil pessoas em todo o mundo.

No Brasil, até a tarde de 27/3, o número oficial de mortes é de 77 pessoas e ultrapassou 3 mil infectados.

Vale, salientar, contudo, que esses números estão subnotificados segundo vários especialistas. Segundo uma das mais experientes pneumologistas do Brasil, da Fiocruz, Margareth Dalcomo, muitos mortos por Coronavírus na rede pública de saúde não recebem o diagóstico.

Para a CSP-Conlutas, os ricos que falam que é preciso escolher entre salvar vidas ou salvar a economia e os empregos mentem descaradamente. Pois a política de Bolsonaro e dos empresários não é a de garantir os empregos, até porque as medidas que defendem é demitir e reduzir direitos. Eles querem é apenas defender os seus lucros à custa da morte de milhares de pessoas e de ataques às condições de vida.

É preciso proibir demissões, decretar estabilidade no emprego, proteger os salários e direitos, garantir renda para os trabalhadores informais, extensão do seguro-desemprego, financiamento para os pequenos comerciantes e empresários, produção planejada da produção para fabricação de produtos, medicamentos e equipamentos para combate à pandemia, entre outras. Basta gerenciar os recursos do país em defesa da vida, dos empregos, e não dos lucros.

A CSP-Conlutas e suas entidades filiadas têm seguido um programa em defesa da classe trabalhadora,exigindo das empresas e dos governos estabilidade de empregos e a não retira de direitos das trabalhadoras e trabalhadores.

Movimentos populares ligados à Central também lançaram um programa específico para quem vive em ocupações e nas periferias, que diante dessa epidemia, serão os mais afetados, com a falta de saneamento básico e estrutura nessas localidades.

É preciso deter este sistema. Os trabalhadores precisam ocupar seu lugar nesta luta. Vamos ficar em casa, não trabalha, parar o país . O capitalismo é irracional. Um sistema que não garante a vida de crianças e mais velhos é que merece morrer ! Fora Bolsonaro e Mourão.