Réseau Syndical International de Solidarité et de Luttes


samedi, 31 octobre 2020

 
 

 

Ucrânia : 200 pessoas de Kryvyi estão em greve nas minas há 15 dias

Accueil > Internacional (Port) > Europa > Ucrânia : 200 pessoas de Kryvyi estão em greve (...)

Na "Fábrica de Minério de Ferro Kryvyi Rih" (KZRK), os mineiros têm estado em greve no subsolo pela terceira semana consecutiva. A certa altura, 393 trabalhadores protestavam a uma profundidade de 1400 metros, e perto de 200 deles ainda lá estão. Contudo, uma vez que a exigência de aumentar os salários até 1000 euros não foi satisfeita, o protesto prosseguiu e o Serviço de Segurança da Ucrânia interferiu
Na "Fábrica de Minério de Ferro Kryvyi Rih" (KZRK), os mineiros têm estado em greve no subsolo pela terceira semana consecutiva. A fábrica é um dos maiores produtores de minério de ferro da Ucrânia e é constituída por 4 minas : Hvardiyska, Oktiabrska, Rodina, e Ternivska. A 3 de Setembro de 2020, cerca de 30 mineiros da mina de Oktiabrska permaneceram no subsolo, suspendendo assim a operação da mina. A falta de diálogo social foi o que levou os mineiros a tomarem uma acção tão desesperada. Os trabalhadores não estão satisfeitos com a distribuição injusta do lucro extraído da exploração do subsolo, que pertence ao povo. Pouco tempo depois, os trabalhadores de outras três minas juntaram-se à greve espontânea. A certa altura, 393 trabalhadores protestavam a uma profundidade de 1400 metros, e perto de 200 deles ainda lá estão.

Simultaneamente, têm tido lugar manifestações de protesto em frente ao edifício da administração da fábrica. No dia 12 de Setembro, os trabalhadores das fábricas de esmagamento e triagem pararam de trabalhar. O processo de produção foi interrompido, os produtos não estão a ser expedidos. Por conseguinte, a empresa não obteve qualquer lucro e pagou menos imposto sobre o rendimento. Os trabalhadores que ficaram na superfície estão a receber 75% do seu salário durante o período de inactividade. A tensão social tem vindo a aumentar e os protestos podem alastrar a outras empresas industriais (como o que aconteceu em 2017). O estado de saúde dos mineiros está a piorar drasticamente : uma estadia prolongada no subsolo afectará irreversivelmente a sua saúde física e psíquica. Os maiores meios de comunicação social ucranianos mal cobriram a greve, apesar de ser um dos maiores protestos industriais dos últimos 20 anos.

Exigências dos manifestantes :
1. Aumentar os salários para 1000 euros em equivalente hryvnia (os trabalhadores das principais profissões, incluindo os tuneiros, estavam a receber tais salários em 2012).
2. Manter os benefícios de pensão por condições de trabalho perigosas, de acordo com as listas 1 e 2 (podem ser cancelados devido ao trabalho incorrecto da comissão de atestação e o governo ter cancelado as regras sanitárias em 2016)
3. Mudar a gestão da empresa (o actual CEO é Serhiy Novak, que não tem demonstrado qualquer intenção de cooperar com os sindicatos)

A reacção da Gestão Vegetal
Nos primeiros dias da greve, a empresa KZRK divulgou uma queixa oficial que reconhecia as acções dos trabalhadores como ilegais. A administração anunciou a sua intenção de contactar o Serviço de Segurança da Ucrânia e obrigar os mineiros a pagar indemnizações. Quando os trabalhadores de todas as outras minas apoiaram a greve, os empregadores prometeram não perseguir os envolvidos no protesto. A administração esperava que isto encorajasse os manifestantes a parar a greve. Contudo, uma vez que a exigência de aumentar os salários até 1000 euros não foi satisfeita, o protesto prosseguiu e o Serviço de Segurança da Ucrânia interferiu.

A Interferência do Serviço de Segurança da Ucrânia
Os participantes das demonstrações acima referidas relatam que estão a ser chamados para dar explicações ao Serviço de Segurança da Ucrânia (SSU). Além disso, os serviços especiais têm tentado entrar numa das minas. Até à data não foram apresentadas quaisquer acusações contra ninguém, mas o facto da SSU estar interessada numa disputa laboral é preocupante e ameaça o direito à liberdade de associação.

O que se pode fazer
1) Espalhar a informação sobre a greve e as tentativas dos serviços de segurança para a interromper.
2) Escrever uma carta à administração da fábrica (krruda@krruda.dp.ua), Presidente da Ucrânia (press@apu.gov.ua), ou ao Gabinete de Ministros da Ucrânia (zmi@kmu.gov.ua).
3) Organize uma demonstração na sua cidade em apoio aos mineiros em greve.
4) Chame os oligarcas que co-proprietários da fábrica (Ihor Kolomoyskyi e Rinat Akhmetov) e complique o seu funcionamento comercial.