Réseau Syndical International de Solidarité et de Luttes


lundi, 17 mai 2021

 
 

 

Dirigente de central palestina recém chegada à Rede Internacional fala sobre lutas e sindicalismo

Accueil > Internacional (Port) > Africa > Dirigente de central palestina recém chegada à (...)

[caption id="" align="aligncenter" width="460"]Palestinian workers at the Tayba checkpoint (Photo: The Palestine New Federation of Trade Unions) Trabalhadores Palestinos no checkpoint de Tayba | Foto : The Palestine New Federation of Trade Unions[/caption]

 

Sumaya Awad, da organização palestina Adalah, realizou uma entrevista com Manal Shqair, coordenadora de Divulgação Internacional da LDC - sigla em inglês para Coalizão de Defesa da Terra.

 

A LDC foi estabelecida em 2014 como um guarda-chuva para movimentos de base na Cisjordânia ocupada, incluindo organizações como a Nova Federação de Sindicatos da Palestina (site em inglês aqui), a New Unions, recém chegada à Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas.

 

A defesa dos direitos dos trabalhadores palestinos na Palestina ocupada e em seus assentamentos ilegais está no centro da estratégia de alcance internacional da LDC.

 

Confira abaixo a entrevista :

 

Por SUMAYA AWAD

*Via Mondoweiss

 

Sumaya Awad - Adalah : Mais de 130.000 palestinos (13% da força de trabalho palestina) da Cisjordânia trabalham em Israel [territórios de 48] e/ou em assentamentos ilegais. Você pode explicar como isso começou e quais setores da indústria empregam principalmente esses trabalhadores ?

 

Manal Shqair : Alguns anos depois que Israel ocupou o restante da Palestina (a Cisjordânia e a Faixa de Gaza em 1967), o mercado de trabalho israelense começou a exigir uma força de trabalho palestina. Antes, os palestinos costumavam trabalhar em Israel (ou, como nos referimos a ele, na Palestina de 1948) porque havia muito poucos assentamentos ilegais recém-construídos na Cisjordânia. O fato de Israel passar a depender da força de trabalho das pessoas que ocupava militarmente fazia parte de um plano premeditado. Além de fazer a empresa capitalista de Israel florescer explorando os palestinos como mão de obra barata, a potência ocupante queria distanciar os palestinos uns dos outros e, com o tempo, desligá-los totalmente de suas terras. Uma vez que o mercado de trabalho israelense começou a empregar trabalhadores palestinos, um grande número de palestinos começou a trabalhar para corporações israelenses.

 

Isso se deve a duas razões principais : primeiro, os palestinos em corporações israelenses recebem salários mais altos em comparação com os salários da Cisjordânia. Quando dizemos que os palestinos são mão-de-obra barata, queremos dizer em comparação com seus colegas israelenses, mas não aos palestinos que trabalham no mercado de trabalho palestino. Este não é o caso de todos os trabalhadores palestinos em corporações israelenses, mas é verdade para a grande maioria que são trabalhadores sem documentos porque não têm permissão oficial de trabalho.

 

Em segundo lugar, a capacidade de acessar o mercado de trabalho israelense no início da década de 1970 coincidiu com a expansão de Israel ainda mais em terras palestinas e sua apropriação dos recursos naturais palestinos para colonos ilegais. Isso pode ser rastreado nas ordens militares que pavimentaram o caminho para o confisco contínuo das terras dos palestinos. Por exemplo, em julho de 1967, a ocupação israelense emitiu a ordem militar nº 58 sobre propriedade ausente. A ordem permitiu que Israel assumisse o controle das terras dos palestinos que foram expulsos de suas casas durante a guerra de 1967. A ordem militar nº 59, emitida em 31 de julho de 1967, relativa à propriedade do Estado, foi outra ordem através da qual grandes áreas de terras não registradas foram retiradas de seus proprietários palestinos. Ordens militares nº 92 e 158, emitidas três dias após a ocupação da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, permitiu que os israelenses colocassem suas mãos na maioria dos recursos hídricos dos palestinos. Isso teve consequências catastróficas no setor agrícola da Palestina, onde muitos perderam suas fontes de renda. Como resultado, esses palestinos não tiveram escolha a não ser trabalhar em Israel. Nessas terras confiscadas, as autoridades de ocupação israelenses construíram assentamentos exclusivamente para judeus dentro e ao redor das cidades e vilas palestinas. Quanto mais terras os palestinos perdiam gradualmente, mais a força de trabalho palestina dependia do mercado de trabalho israelense, seja em assentamentos ou dentro de Israel. Os 130.000 palestinos que atualmente trabalham em corporações israelenses são vítimas do apartheid de Israel e do roubo de terras. Os dois maiores setores israelenses que empregam mão de obra palestina são construção e agricultura, respectivamente.

 

[caption id="" align="aligncenter" width="457"]The Palestine New Federation of Trade Unions logo New Unions é a Central Sindical Palestina recém chegada à Rede Sindical Internacional[/caption]

 

Sumaya Awad - Adalah : Trabalhadores em todos os lugares são explorados e oprimidos, mas os trabalhadores palestinos em Israel (especificamente referindo-se aos trabalhadores palestinos não cidadãos) enfrentam uma série de táticas discriminatórias que são muito específicas da estrutura colonizada pelo colonizador, da qual os proprietários de negócios israelenses usam para obter o máximo de exploração. Você pode falar sobre alguns desses fatores de intersecção que colocam os trabalhadores palestinos em situações incrivelmente precárias ?

 

Manal Shqair : Para ter acesso ao trabalho em Israel ou em assentamentos ilegais, os palestinos precisam de autorizações israelenses. Teoricamente, o requerente de uma licença deve ser casado e ter condições de pagar as taxas da licença. Na realidade, as autoridades de ocupação israelenses rejeitam muitos dos pedidos de permissão dos trabalhadores palestinos sob o pretexto de "razões de segurança". As autoridades de ocupação israelenses traçam a história de cada trabalhador palestino. Qualquer envolvimento do trabalhador ou de um membro de sua família contra a opressão de Israel, mesmo que seja na forma de ações não violentas, é considerado um “motivo de segurança” válido para negar a permissão ao dito palestino. Em 2017, apenas cerca de 67.000 trabalhadores palestinos entre os mais de 130.000 que trabalham em Israel e seus assentamentos tinham licenças. O resto está em situação irregular.

 

Tanto aqueles com como os sem autorização se deparam com inúmeras situações de humilhação e perigo quando se deslocam para o trabalho. Ter uma licença significa que os trabalhadores têm que esperar horas nos postos de controle militares israelenses. Lá, eles são inspecionados por meio de máquinas instaladas nos pontos de controle. Para humilhar ainda mais os palestinos, às vezes os soldados israelenses os fiscalizam, forçando-os a tirar todas as roupas e ficar nus.

 

Palestinos que não possuem a permissão colocam suas vidas em risco ao trabalhar, quando passam por meio de escotilhas pelo Muro do Apartheid de Israel. Se eles são pegos, geralmente são alvejados por soldados israelenses. Desde janeiro de 2021, dois trabalhadores palestinos foram assassinados por soldados israelenses enquanto tentavam trabalhar sem autorização. Outros palestinos que não possuem permissão decidem entrar por meio de postos de controle militares pagando aos chamados "corretores", uma certa quantia de dinheiro para facilitar sua liberação nos postos de controle. Os corretores fazem isso subornando soldados israelenses nos postos de controle. Esta é outra forma de explorar os trabalhadores palestinos, porque uma parte do dinheiro que eles pagam aos corretores vai para os soldados israelenses. Além disso, no local de trabalho, os empregadores israelenses exploram os palestinos de várias maneiras. Os palestinos são forçados a trabalhar por longas horas e são pagos injustamente. Por lei, os palestinos deveriam receber tanto quanto seus colegas israelenses. Mesmo assim, os empregadores israelenses fingem cumprir seu sistema legal apenas teoricamente, mostrando em seus registros oficiais que os trabalhadores palestinos e israelenses são pagos igualmente. Quando se trata da realidade, os empregadores israelenses fogem da lei negando aos palestinos alguns dos dias em que trabalharam e cortando seus salários com base nisso. Por exemplo, se um trabalhador palestino trabalha 30 dias por mês, o empregador israelense nega-lhe o salário integral e paga-lhe por apenas 10 ou 15 dias de trabalho. Tanto os palestinos com licença quanto os classificados como ’ilegais’ estão sujeitos a essa forma de maus-tratos. Muitos não desfrutam de licença médica remunerada, feriados, seguro saúde, como os trabalhadores israelenses.

 

Para os trabalhadores com carteira assinada, é difícil protestar contra a exploração imposta, porque isso tornará mais difícil futuramente se for necessário obter uma nova autorização de trabalho. Com relação aos trabalhadores sem permissão, é muito fácil para seus empregadores israelenses despedi-los sem consequências se os trabalhadores decidirem protestar contra suas condições desumanas.

 

Tudo isso mostra como o sistema de autorizações é usado como uma ferramenta disciplinadora para perpetuar a inferioridade e a exploração dos trabalhadores palestinos nas empresas israelenses.

 

Raça e classe se cruzam para marginalizar sistematicamente os homens palestinos. No entanto, as trabalhadoras palestinas estão à margem dos marginalizados, pois raça, gênero e classe se cruzam para fazer essa opressão triplicar. Existem mais de 6 mil mulheres palestinas trabalhando em Israel. Elas estão sujeitas aos mesmos maus-tratos que os homens palestinos enfrentam, mas recebem menos do que os homens israelenses e palestinos. Mulheres palestinas são abusadas sexualmente por israelenses e, frequentemente, pelos ’corretores’ palestinos com quem elas lidam. Alguns israelenses que empregam mulheres palestinas como empregadas domésticas as estupram. A maioria dessas mulheres permanece passiva e silenciosa enquanto correm o risco de perder o emprego.

 

Sumaya Awad - Adalah : Os números dos sindicatos de Israel são muito altos (em comparação com os dos EUA), mas pelo projeto os sindicatos israelenses não incluem, e na maioria dos casos ainda não incluem, trabalhadores palestinos. Na verdade, apenas na década de 1960 os cidadãos palestinos de Israel tiveram o direito de se filiar a sindicatos e, mesmo assim, nem sempre receberam serviços sindicais, embora pagassem taxas. Você pode falar um pouco mais sobre isso ?

 

Manal Shqair : Sobre duas décadas após a fundação do Movimento Sionista no final dos anos do século IXX, a Histadrut, o primeiro sindicato organizado por colonos judeus na Palestina, foi criado em 1920. Desde seu início, a Histadrut estava no controle dos principais esforços sionistas para colonizar a Palestina, incluindo a produção econômica, emprego de mão de obra, marketing e defesa (principalmente a Haganah). A Histadrut interrompeu os esforços iniciais de certos grupos de trabalhadores palestinos e judeus pelo sindicalismo de conjunto. A Histadrut desempenhou um papel central na limpeza étnica em massa de dois terços da população palestina em 1948, quando Israel foi criado. A Histadrut fez isso executando o Plano Dalet, um conjunto de dossiês detalhados que foram empregados para aterrorizar e exterminar a população nativa palestina. Nos dias de hoje, a Histadrut é ativa na colonização do resto da Palestina, apoiando a expansão dos assentamentos ilegais na Cisjordânia ocupada. Até apoiou os brutais ataques israelenses à Gaza e ao Líbano.

 

A Histadrut pratica o apartheid contra os trabalhadores palestinos em nível micro. Embora os trabalhadores palestinos paguem taxas de adesão, eles não podem se tornar membros plenos simplesmente porque são palestinos. Nem a Histadrut representa as preocupações e interesses dos trabalhadores palestinos, já que os trabalhadores palestinos não têm voz para questionar a Histadrut e outras políticas sindicais israelenses. A Histadrut aceitou plenamente os critérios do exército israelense para a distribuição de autorizações de trabalho, que, como dito acima, são usadas como um meio disciplinar e punitivo para consolidar a exploração dos trabalhadores palestinos. A Histadrut também participou do financiamento de assentamentos ilegais na Cisjordânia, ajudando o Estado israelense a roubar dos trabalhadores palestinos US $ 2 bilhões em benefícios sociais.

 

Embora outros sindicatos israelenses existentes trabalhem para sindicalizar os trabalhadores palestinos para exigir seus direitos, nenhum deles reconhece oficialmente as aspirações nacionais e a luta anticolonial dos palestinos. Pior do que isso, alguns deles fingem tratar membros israelenses e palestinos igualmente. Ainda assim, na prática e na base, eles apoiam os israelenses que estão diretamente envolvidos no fortalecimento do projeto de expansão dos assentamentos em terras palestinas. Isso, eu acho, está conectado ao fato de que eles negam as aspirações nacionais palestinas e não reconhecem a exploração palestina nas corporações israelenses como parte da situação colonial.

 

[caption id="" align="aligncenter" width="459"]Palestinian workers at the Tayba checkpoint (Photo: The Palestine New Federation of Trade Unions) Trabalhadores palestinos no checkpoint de Tayba | Foto : The Palestine New Federation of Trade Unions[/caption]

 

 

Sumaya Awad - Adalah : Quais sindicatos palestinos existem hoje ? Quais são as principais lutas que enfrentam ?

 

Manal Shqair : Existem cerca de sete sindicatos palestinos que existem principalmente na Cisjordânia, alguns deles têm filiais em Gaza. Além da Nova Federação Palestina de Sindicatos, ou o New Unions - Novos Sindicatos - , como chamamos e da qual me afilio, os outros sindicatos são : Federação Geral Palestina de Sindicatos, Federação Geral Palestina de Sindicatos (a casa do povo), Sindicatos Islâmicos, Sindicatos Independentes, Sindicato dos Trabalhadores dos Correios da Palestina e Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Palestina.

 

A maioria desses sindicatos é filiada aos partidos políticos existentes na Palestina. Em outras palavras, os sindicatos são uma ferramenta nas mãos dos partidos políticos para cooptar pessoas. Suas filiações a certos partidos políticos criaram divisão entre os sindicatos e a concorrência. Isso se reflete na falta de apoio fornecido aos trabalhadores em sua luta para serem tratados como humanos em seus locais de trabalho em Israel.

 

A maior luta que os sindicatos palestinos enfrentam está relacionada à situação colonial e de apartheid que nos é imposta. Os palestinos enfrentam desafios em defender os trabalhadores palestinos, pois eles não são reconhecidos pelo governo israelense. Isso afeta a representação legal dos trabalhadores palestinos no tribunal. No entanto, os Novos Sindicatos poderiam superar esse obstáculo empregando advogados palestinos com cidadania israelense para defender os trabalhadores nos tribunais. Outro desafio é a proibição israelense do acesso de sindicatos palestinos aos palestinos em seus locais de trabalho, seja em Israel ou em assentamentos ilegais, o que restringe sua capacidade de sindicalizar os trabalhadores. Isso não significa que os sindicatos palestinos não sindicalizem os trabalhadores, mas que o fazem por meio de um processo que é mais assustador do que os sindicatos israelenses, que acessam facilmente e livremente qualquer palestino no trabalho. Apesar desses obstáculos, desde que foi criado, os Novos Sindicatos conseguiram sindicalizar mais de 15.000 trabalhadores palestinos em corporações israelenses.

 

Outro dilema que os sindicatos palestinos enfrentam é o reconhecimento limitado pelos sindicatos internacionais. Por um lado, os sindicatos israelenses usam seu prestígio, especialmente a Histadrut, para manter os sindicatos palestinos longe do reconhecimento internacional. Por outro lado, alguns sindicatos no Ocidente e até mesmo jornalistas interessados ​​em destacar o que os trabalhadores palestinos encontram, tendem a dar mais legitimidade aos sindicatos israelenses que falam em nome dos trabalhadores palestinos. Isso reduz o espaço para os sindicatos palestinos representarem os trabalhadores palestinos e transmitirem genuinamente suas vozes. Também perpetua o que os palestinos têm lutado por décadas : ter permissão para falar em vez de ser narrado e objetivado nas histórias contadas sobre eles por seus colonizadores, incluindo sindicatos israelenses.

 

[caption id="" align="aligncenter" width="461"]Palestinian workers entering the Gishouri industrial zone (Photo: The Palestine New Federation of Trade Unions) Trabalhadores palestinos na entrada da zona industrial Gishouri | Foto : The Palestine New Federation of Trade Unions[/caption]

 

Sumaya Awad - Adalah : Você pode nos contar o que os trabalhadores palestinos dizem sobre o BDS e como eles o entendem como parte da estratégia de pressionar Israel (especialmente porque afeta seu trabalho) ?

 

Manal Shqair : Os trabalhadores palestinos consideram o BDS uma ferramenta significativa para acabar com sua exploração. Sempre ouço alguns deles dizerem, ’o fato de trabalharmos para corporações israelenses e até mesmo participar da construção de prédios em assentamentos israelenses não significa que não apoiamos o BDS. Apoiamos totalmente o BDS. A ocupação israelense e a exploração de nosso trabalho e recursos naturais devem ser dolorosas e caras. No entanto, somos forçados a trabalhar para os israelenses devido ao estrangulamento de nossa economia que nos deixa escolher entre morrer de fome ou trabalhar para corporações israelenses. É assim que somos forçados a trabalhar lá. ’

 

Os trabalhadores palestinos se opõem à suposição de que o apoio internacional ao movimento BDS pode prejudicar os trabalhadores palestinos que trabalham para empresas visadas pelo BDS. Pelo contrário : o desmantelamento da empresa israelense de assentamento significa que nós, palestinos, seremos capazes de recuperar nossas terras e recursos naturais. Isso, é claro, acabará com a exploração dos trabalhadores palestinos por seus empregadores israelenses. Qualquer argumento contra isso é um argumento anti-trabalhador.

 

Sumaya Awad - Adalah : Como os sindicatos nos EUA podem construir solidariedade com os sindicatos palestinos e organizações de trabalhadores na Palestina em geral ?

 

Manal Shqair : No cerne do apoio aos sindicatos palestinos na Palestina está a adoção total do pedido de BDS. Isso porque endossamos os vínculos do BDS com nossa luta no terreno contra a exploração dos trabalhadores e a luta anticolonial mais ampla. Adotar a convocação BDS é um ato de abraçar a humanidade, pois seu apelo pelo respeito aos direitos humanos toca a humanidade das pessoas. Parte da construção da solidariedade entre os sindicatos dos EUA e da Palestina é aumentar a conscientização e a troca mútua de experiências de luta contra o capitalismo, especialmente por negros e outros grupos minoritários oprimidos nos EUA.

 

 

 

Talvez você se interesse por :

 

Associação de professores da UNB vota por moção contra relações da universidade com o Estado de Israel

 

 

*Via Mondoweiss